Vale a Pena Investir em Fundos de Investimentos?

Oi pessoal, na semana passada um amigo meu me perguntou se valia a pena investir em Fundos de Investimentos. Ele queria modificar sua forma de investir e estava com muitas dúvidas.

Como a pergunta foi um pouco genérica, achei importante entender o que ele sabia sobre Fundos de Investimentos, o nível de conhecimento dele sobre investimentos em geral e os objetivos almejados.

A conversa foi boa. Entendi que, apesar de ele não ter muitas informações sobre o assunto, ele estava querendo retornos bem altos.

Tentei, em vão, explicar para ele que Fundos de Investimentos são instrumentos bastante indicados para que diversifiquemos nossa carteira de investimentos, contando com profissionais que ganham a vida investindo nosso dinheiro por nós, mas que o retorno esperado não deveria ser tão alto quanto o que ele tinha em mente.

A partir desta conversa, cheguei à conclusão que poderia ser interessante escrever um pouco sobre Fundos de Investimentos e dividir as minhas impressões sobre estes importantes instrumentos de investimento.

Vamos lá. Primeiramente é importante que tenhamos em mente que existem vários tipos de fundos e cada um tem sua forma de investir e alocar os recursos que estão sob sua administração. Além disto, têm níveis de risco também diferenciados. Entre eles, os mais conhecidos são:

– Fundos de Renda Fixa;

– Fundos Multimercado;

– Fundos de Ações;

– Fundos Imobiliários.

Vamos agora entender um pouco sobre cada um deles.

Fundos de Renda Fixa

Estes Fundos têm como principal característica perseguir um retorno representado por um % do CDI. Eles também podem ser pré ou pós-fixados, o que quer dizer que te oferecem a possibilidade de “travar” uma rentabilidade futura (pré-fixados) ou não (pós-fixados).

No caso dos Fundos de Renda fixa, os gestores basicamente compram e vendem títulos públicos e perseguem o CDI.

São os Fundos mais conservadores do mercado, mas é bom prestar atenção, pois em alguns momentos podem inclusive perder para a famigerada Caderneta de Poupança. Basta que o CDI esteja bem baixo ou apontando para uma queda tão expressiva que o rendimento, líquido do Imposto de Renda e das taxas de administração, seja abaixo do rendimento da Poupança.

Fundos Multimercado

Estes Fundos também perseguem o CDI, mas têm a liberdade de utilizar vários instrumentos para atingir este objetivo. Ou seja, podem negociar títulos públicos, a exemplo dos Fundos de Renda Fixa, podem negociar ações, podem negociar CDBs, podem negociar CRIs, CRAs, etc.

Estes fundos são indicados para pessoas com um pouco mais de apetite a volatilidade com relação às que investem em Fundos de Renda Fixa, pois nestes fundos, há a possibilidade de retornos negativos.

Mas, como contamos com gestores profissionais, bons Fundos Multimercado nos entregam com frequência bons retornos.

Fundos de Ações

Estes Fundos não perseguem o CDI. Eles investem quase que 100% do capital disponível no Fundo em ações.

Podem investir em uma carteira de ações ou investir em apenas uma ação. Para se ter uma ideia, existem fundos de índices, que perseguem o retorno no índice Bovespa, existem fundos que perseguem o retorno das ações da Petrobras, da Vale, etc.

São fundos de volatilidade atrelada à volatilidade associada à sua carteira de ações, logo também podem gerar retornos negativos, mas são uma boa opção para quem quer ter exposição à Bolsa de Valores, sem ter que escolher as ações a serem compradas.

Fundos Imobiliários

Estes Fundos também não perseguem o CDI. Eles investem em imóveis, normalmente comerciais.

Estes fundos são uma fonte interessante para quem gosta do investimento em imóveis, mas não tem a grana suficiente para adquirir estes imóveis e ainda conta com a diversificação gerada pelo caixa do Fundo.

Como todo imóvel, este fundo gera rendimentos de aluguel, que são distribuídos mensalmente aos seus cotistas e que são isentos de Imposto de Renda!

Além disto, também podem ser valorizados pela valorização dos imóveis em carteira, nos casos de valorizações imobiliárias. Seus imóveis passam a valer mais e podem ser vendidos com lucro e este lucro pode ser distribuído para seus cotistas ou ser utilizado para adquirir outros imóveis.

Uma outra característica é que suas cotas são negociadas na Bovespa, assim como ações de empresas, logo podem se valorizar ou desvalorizar, dependendo do humor do mercado. Mas, no longo prazo é um investimento que acompanha o ritmo de preços dos imóveis.

Imposto de Renda e Taxas de Administração

Nos casos de Fundos de Investimento, é muito importante estarmos atentos ao Imposto de Renda, que é recolhido diretamente pelos administradores dos Fundos nos casos de Fundos de Renda Fixa, Multimercado e de Ações, mas que tem suas peculiaridades para os Fundos Imobiliários, se aproximando bastante da mecânica das negociações com ações.

Também é importante ficar atento às taxas de administração e de performance neste tipo de investimento. É fundamental fugir de altas taxas de administração e de performance, que normalmente estão presentes em grandes bancos. Já nas corretoras estas taxas costumam ser menores.

Vale a pena pagar uma taxa de administração para que seu dinheiro seja cuidado por profissionais capacitados, mas taxas abusivas devem ser evitadas. Existem bancos que cobram atém 4,0% de taxa de administração em Fundos de Renda Fixa, o que é absolutamente injustificável.

Já tratamos deste assunto em posts anteriores. Vale a pena avaliar com bastante carinho a questão de abrir uma conta em corretora, pois pode fazer bastante diferença no futuro de seus investimentos.

Resumo

Resumindo o que tentei explicar em poucas palavras acima, os Fundos de Investimentos, sejam quais forem, são sim muito válidos para a composição de uma carteira, desde que sejam tomados os cuidados descritos acima.

Também não devemos esquecer de pensar bem em nosso perfil como investidores. Se temos mais ou menos apetite para volatilidade e risco.

Gostaria de pontuar também que os Fundos de Ações também são uma porta de entrada interessante para quem quer um dia investir na Bolsa de Valores, mas ainda se sente inseguro ou ainda não tem o treinamento suficiente para entrar diretamente neste mercado.

Ainda vamos tratar deste assunto futuramente, mas acho que este texto já consegue esclarecer um pouco as dúvidas mais gerais de nossos amigos leitores.

Um abraço e até a próxima.