Parcelado ou à Vista?

Vamos imaginar a seguinte situação: Você entra em uma loja qualquer e escolhe o produto desejado. Experimenta este produto, negocia o preço (sempre devemos negociar preços) e chega a um acordo financeiro legal para a aquisição do produto.

Pronto. Chegou a hora de pagar. No caixa da loja, a atendente te pergunta: À vista ou parcelado? Este é um momento importante para quem está comprando e que merece um artigo para tratar deste dilema: “Devo pagar à vista ou parcelar as minhas compras?”

Vamos combinar logo uma coisa: Não vale pegar o cartão de débito e falar “Débito”. Somente esta atitude não vai te ajudar a ficar rico ao longo do tempo…

Só para reforçar: este exemplo foi montado em cima de uma compra em uma loja, mas também serve para uma compra pela internet, pois a questão principal é a questão do pagamento à vista ou parcelado.

Infelizmente não existe uma resposta única e infalível para esta pergunta. Depende do tipo de compra, da sua situação financeira, do controle que você tem sobre seus gastos e ganhos, enfim de muitos fatores.

Vamos abordar alguns aqui para te ajudar a decidir caso a caso, mas também existem questões comportamentais a serem abordadas, e estas devem ser tratadas pessoa a pessoa. Não tem jeito.

Compras Recorrentes:

Compras recorrentes são as que efetuamos todos os meses, como por exemplo nossas compras em supermercados. Neste tipo de compra, não devemos nem pensar em parcelamentos. Parcelar este tipo de compra tem algum efeito imediato, mas no tempo não te traz vantagem nenhuma.

Por que? Vamos imaginar que você parcele todo mês suas compras em três parcelas e que suas compras sejam iguais a R$ 600,00 todos os meses (isso é difícil com nossa inflação, mas vamos imaginar, ok?).

Prestando um pouco atenção, a partir do Mês 3, o parcelamento não fará nenhuma diferença, pois você passará a pagar os mesmos R$ 600,00 das compras mensais (R$ 200,00 do parcelamento do Mês 1, R$ 200,00 do parcelamento do mês 2 e R$ 200,00 do parcelamento do mês 3).

Portanto, despesas recorrentes não devem ser parceladas. Só vão te confundir, na hora de validar o extrato do seu cartão de crédito.

Compras Não-Recorrentes:

Para o caso de compras não-recorrentes, a situação é BEM DIFERENTE. Neste caso há pelo menos três alternativas possíveis:

1 – Conseguir desconto à vista: Sempre vale a pena pagar à vista quando você conseguir entre 5,0% e 10,0% de desconto à vista.

Não é razoável imaginar que iremos conseguir uma rentabilidade ao investirmos nosso dinheiro que seja suficiente para superar o desconto negociado.

Também não dá pra acreditar que você vá ter a disciplina de investir este dinheiro e resgatá-lo no momento de pagar a parcela.

Se o parcelamento for em três vezes então, nem pensar em parcelar. Pegue o desconto e comemore.

2 – Não conseguir desconto e o parcelamento é COM JUROS: Nunca vale a pena parcelar compras com juros.

Por favor, adie a compra, junte o dinheiro e compre à vista quando tiver o valor disponível.

Aí você pode dizer: “Poxa, mas os juros são de “apenas” 1,99% ao mês”. Esqueça isso! Você não vai conseguir esta rentabilidade em uma aplicação sem risco, logo não aceite.

Como no exemplo anterior, se o parcelamento for em três vezes, aproveite para testar sua paciência para esperar e comprar um pouco mais tarde, mas sem juros.

3 – Não conseguir desconto e o parcelamento é SEM JUROS: Este caso, apesar de parecer simples, não é tanto assim.

Esta opção é boa, mas a vantagem maior se configura se você tem o dinheiro suficiente para pagar o produto à vista.

Veja bem, não estou afirmando que você não deve comprar se não tem o dinheiro para comprar à vista.

Mas se você tiver, você pode aplicar este dinheiro e obter um dinheirinho, mesmo que não seja tão relevante a partir desta aplicação. Mas já é alguma coisa. E então terá conseguido um desconto no final, pois o valor destes juros “reduzirão” o valor que você pagou no produto comprado.

Veja os exemplos abaixo para parcelamentos em 3, 6 e 10 vezes para aplicação de R$ 1.000,00 em uma compra de R$ 1.000,00 com rendimento bruto de 12,0% ao ano (hoje não é tão difícil conseguir isto) e já abatendo o Imposto de Renda:

  • Parcelamento em 3X Sem Juros: Ganho com Juros de R$ 7,44;
  • Parcelamento em 6X Sem Juros: Ganho com Juros de R$ 18,89;
  • Parcelamento em 10X Sem Juros: Ganho com Juros de R$ 34,84.

Dá para perceber que o ganho não é muito grande, mas é um ganho que no final representa um desconto.

Mas veja bem: estes ganhos só serão atingidos se você possuir os R$ 1.000,00 na largada e aplicá-los.

 

Resumindo:

Para resumir, abaixo vão as melhores opções, na sequência do melhor para o pior:

  1. Comprar à vista, conseguindo um desconto. 5,0% já é o suficiente, mas tente sempre conseguir mais;
  2. Comprar parcelado sem juros quando não conseguir desconto. Não se esquecer que esta opção é tanto melhor quanto você tiver mais do dinheiro total da compra para investir. O ideal é ter tudo, como no exemplo dado acima;
  3. Comprar parcelado com juros: NÃO FAÇA ISTO! Faça de tudo para juntar o dinheiro e utilizar a opção !

Um abraço e até a próxima.