O Que Você Deve Saber Sobre Diferenças Entre Despesas e Investimentos

Oi pessoal, vamos abordar hoje um assunto bastante polêmico: Como diferenciar Despesas de Investimentos.

Diferentemente do que boa parte das pessoas imagina, despesa não é tudo que retira dinheiro de nossa conta corrente e investimento também não é tudo o que nos faz imaginar que estamos ganhando dinheiro.

Vamos aos fatos, porque nada melhor do que exemplificar. Vamos abordar 2 exemplos e classificá-los, para tentar que tudo fique mais claro.

É importante deixar claro que não vamos tratar aqui do conceito de investimento e despesa no âmbito contábil de empresas, mas sim o conceito que envolve Finanças Pessoais.

Exemplo 1: Imóveis.

casa

Este é um tipo de patrimônio que pode ser considerado tanto como investimento como despesa. Aí você pensa: Como assim? Imóvel pode ser despesa?

E eu respondo: Sim. Imóvel pode ser despesa. Vamos imaginar duas situações: na primeira, você compra o imóvel para morar, sem intenção de vendê-lo e na segunda você compra o imóvel para alugar ou para reformá-lo e então vendê-lo no futuro.

Não há nenhuma dúvida: na primeira situação o imóvel se trata de uma despesa e na segunda se trata de um investimento. E os motivos são relativamente simples: Na primeira situação, o imóvel não vai gerar renda nenhuma para seu proprietário e ainda vai gerar despesas (água, luz, condomínio, etc), logo não deve ser classificado como investimento.

Já na segunda situação, o imóvel vai gerar renda de aluguel e/ou lucro/prejuízo em sua venda, logo não deve ser considerado como despesa e sim como investimento, com todos os seus riscos e oportunidades envolvidas.

         Exemplo 2: Carros.

carro

Este exemplo é um pouco mais simples, mas não tanto, pois também existem duas faces na mesma moeda (todas as moedas têm duas faces, mas gosto muito deste termo, por isto o usei), como no caso dos imóveis. Que faces são estas?

Bom, você pode adquirir um carro para seu uso pessoal ou para o trabalho. No primeiro caso, não te ajudará em nada a ganhar dinheiro, mas no segundo caso ajudará. E, então? É despesa no primeiro caso e investimento no segundo? A resposta é não.

Um carro é sempre despesa, pois ele não te oferece nenhuma possibilidade de ganhar dinheiro em sua venda futura. Tampouco você conseguirá alugá-lo de forma recorrente para que ele possa te gerar renda.

Um carro, diferentemente de um imóvel, não fornece possibilidade de apreciação em seu preço com o tempo, diferentemente de um apartamento. Nem que você faça uma reforma no mesmo, logo não deve ser considerado investimento. Ele só oferece uma possibilidade: desvalorização com o tempo.

Não possui o viés de valorização que um investimento necessariamente tem que ter.

Logo, carro é sempre despesa em termos de Finanças Pessoais. Não tente ganhar dinheiro comprando o carro, usando e depois tentando vendê-lo. Não vai dar certo.

Só para que não me xinguem e que digam que eu não abordei a possibilidade, é claro que carros antigos e conservados, que possam ser tratados como relíquias, oferecem valorização, mas este é um caso muito especial, que deve ser tratado como exceção e não como regra.

Conceituando:

Os dois exemplos citados acima são bastante enigmáticos, pois sempre vão surgir pessoas que não concordam com este ou aquele conceito, logo para deixar bem claro, vamos conceituar o que é investimento e despesa nas Finança Pessoais.

Investimento é tudo aquilo em que você coloca seu dinheiro e que tenha a possibilidade real de gerar ganhos. Não pode SOMENTE possuir a possibilidade de desvalorização.

Despesa é tudo aquilo em que você coloca seus recursos financeiros e que não trará nenhum benefício futuro em sua venda ou aluguel. Só te oferece uma possibilidade: desvalorização.

Claro que existem exemplos claros de despesas, tipo água, luz, esgoto, transporte etc, mas sempre que você tiver dúvida, utilize os conceitos acima. Vão te ajudar muito a entender se aquilo que você está adquirindo ou colocando seu dinheiro suado é uma despesa ou um investimento.

Somente mais uma coisa: estas conclusões não servem para definir que despesa é ruim e investimento é bom. Servem apenas para ajudar a definir suas diferenças.

Quer exemplos de despesas “boas”? Temos várias, dentre elas as despesas com educação, incluindo aí mensalidades de instituições de ensino, livros e vídeos educativos.

Gostou do que leu neste artigo? Escreva para nós no e-mail contato@investimentusbrasil.com.br ou se preferir, na nossa área de Contatos. Nos mande sugestões de temas e nos ajude a melhorar cada vez mais nossos papos.

Um abraço e até a próxima.