O Que Fazer Com o 13º Salário?

Oi pessoal, estamos chegando naquela fase do ano que, algumas vezes é maravilhosa e algumas vezes decepcionante: o seu final.

Maravilhoso porque recebemos aquele dinheirinho extra e porque vamos nos confraternizar e planejar o próximo ano (será?). Para quem investe em ações de empresas na Bolsa de Valores, também é a época do tão famoso rali de final de ano. Muitos investidores esperam ansiosamente esta época.

Algumas vezes decepcionante porque vamos chegar à conclusão de que não atingimos nossos planejamentos (será que planejamos mesmo?) que fizemos no final do ano anterior para o ano atual.

Pois é, este negócio de planejamento é um assunto muito legal e fundamental para todas as pessoas (físicas e jurídicas), mas fica para uma próxima ocasião, pois hoje vamos tratar do que fazer com nosso dinheirinho extra de final de ano, o sempre aguardado 13º SALÁRIO!

Normalmente existem duas situações nas quais sempre nos enquadramos: com ou sem dívidas em aberto para pagar.

Mas, dentro da situação do “com dívidas” existem derivações, do tipo: dívidas baratas, dívidas caras, dívidas que valem a pena serem liquidadas, dívidas que não valem a pena serem liquidadas, etc.

Trataremos neste texto das situações mais comuns e vamos dar dicas de como agir em cada caso.

Vamos ao trabalho!!!

  • Quem não tem dívidas: Neste caso, é razoavelmente fácil e só enxergo duas opções: investir ou investir e utilizar um pedaço para os presentes de final de ano.

O primeiro caso, que é o de simplesmente investir, é o melhor para nosso futuro financeiro e consequentemente nossa aposentadoria, mas sempre acabamos utilizando um pouco do 13º salário para presentes de final de ano, o que nos leva invariavelmente para o segundo caso, que é investir e utilizar um pedaço para os presentes de final de ano.

Mas, não nos esqueçamos: em qualquer situação devemos SEMPRE pedir descontos e então pagar à vista, para que não nos enfiemos em dívidas. Um desconto de 10% é muito bom. Se tem dúvidas sobre esta afirmação, consulte nosso texto em que analisamos este caso, o “Parcelado ou à Vista?”.

  • Quem tem Dívidas: Bom, neste caso a situação deve ser um pouco mais detalhada, pois vou abordar um tema aqui de uma forma que nunca vi em nenhum texto sobre liquidação ou abatimento de dívidas com o 13º salário: a questão de investir, mesmo com dívidas caras a serem pagas.

As dívidas baratas, que são as dívidas contraídas sem juros, ou seja, aquelas que são parceladas no cartão de crédito e você consegue pagar sem entrar no famigerado limite do cartão de crédito não são necessariamente um problema e você não precisa e nem deve liquidá-las.

Na verdade, você deve investir o valor para liquidá-las em algum instrumento de curto prazo, com taxa pós-fixada, vinculada ao CDI, com liquidez imediata, e “baixar” esta aplicação mensalmente para pagar esta dívida.

Já o valor que sobrar, você deve dividir entre algo de mais longo prazo, que te ofereça mais retorno e consequentemente mais risco (a menor parte) e algo de mais segurança, para tentar aumentar seu patrimônio de forma consistente.

Os títulos do Tesouro Direto são excelentes opções.

Já as dívidas caras, que são as dívidas com altas taxas de juros ou de financiamento (taxas que podem variar de 30% a 400% ao ano!!), devem ser liquidadas (na melhor das hipóteses) ou abatidas (caso o dinheiro do 13º não seja suficiente para liquidá-las), sem dúvida nenhuma.

É neste ponto que surgem algumas dúvidas em pessoas que querem investir, mas não conhecem bem este mundo financeiro (mundo que não é muito complicado, mas que os grandes bancos gostam de mistificar). Como somos independentes, vamos sempre que necessário desmistificar os investimentos em benefício de nossos  leitores.

Existem pessoas que aplicam seu dinheiro em um fundo ou qualquer outro investimento indicado pelo gerente do seu banco, mesmo tendo dívidas que estão “comendo” o limite do seu cartão de crédito ou o limite de sua conta corrente.

Nunca faça isto! Você não tem nenhuma possibilidade real de conseguir um rendimento suficiente em investimentos convencionais e de baixo risco para superar as taxas de juros que seu banco cobra de você. Esqueça a meta que seu gerente tem para atingir.

Seu gerente no banco pode até ser legal, mas você não deve prejudicar seu futuro financeiro por causa das metas que ele tem que bater.

Resumindo, pense sempre na melhor opção e utilize seu 13º salário em benefício de sua vida financeira e valorize cada centavo deste salário extra, pois ele certamente vai te fazer mais rico no futuro.

Dúvidas? Escreva para nós no e-mail contato@investimentusbrasil.com.br, ou se preferir na nossa área de Contatos. Nos mande sugestões de temas e nos ajude a melhorar cada vez mais nossos papos.

Um abraço e até a próxima.