Fundos de Renda Fixa: Quais as opções existentes e como funcionam?

Olá pessoal, a partir de hoje vamos começar nossa saga de explicar com mais detalhes os Fundos de Investimentos mais populares. Como falamos no texto “Você Conhece Fundos de Investimentos?”, este tipo de alocação de recursos financeiros pode ajudar muito os investidores a diversificar com qualidade seu dinheiro.

fundo_de_renda_fixa

Mas, por favor, prestem bastante atenção à palavra PODE no parágrafo anterior, pois para que isto seja verdadeiro, você precisa entender um pouco sobre os tipos existentes e levar em consideração a taxa de administração de cada instituição que oferece os produtos em sua prateleira. Isto vale para qualquer tipo de investimento e vamos SEMPRE alertá-los sobre isto

Para começar, vamos relembrar qual é a definição mais fundamental de Fundos de Renda Fixa: Os fundos classificados como Renda Fixa, devem ter como principal fator de risco de sua carteira a variação da taxa de juros (normalmente o a taxa do CDI, que é a taxa do Certificado de Depósito Interbancário, que são empréstimos de curtíssimo prazo, feitos entre os bancos), de índice de preços (índices de inflação), ou ambos (variação de taxa de juros e índices de preços).

Uma coisa que deve ficar claro, a partir de agora para todos os que tenham a intenção de investir na renda fixa é que a renda fixa varia. Aí você pensa: Vou parar de ler aqui mesmo. Este cara está maluco. Como assim a renda fixa varia? Renda fixa é fixa. Não é?

Pois é, o nome genérico é Fundo de Renda Fixa, mas temos três opções para estes fundos, como já informamos. Mas vamos agora dar “nome aos bois”: Fundo DI (ou curtos prazo), Fundo de Renda Fixa propriamente dito e Fundo indexado à inflação.

Fundo DI: Este é o fundo que tem sua rentabilidade associada ao CDI, que anda muito próximo à taxa Selic e é pós-fixado. Por ele ser pós-fixado, o que é fixo é somente o fato de que o fundo perseguirá um rendimento bruto próximo ao seu benchmark, que é a taxa CDI (ou Selic).

Este fundo é bastante indicado para que você guardar nele o dinheiro que você pode precisar no curto prazo. E o que seria isto? Depende de pessoa para pessoa e de família para família, mas deve ser um valor que consiga cobrir suas despesas recorrentes durante um tempo.

Este tempo também varia, mas eu gosto de manter algo em torno de seis meses de minhas despesas neste tipo de investimento. Também prefiro investir diretamente no Tesouro Selic (LFT), mas um bom fundo de investimentos em seu banco, com uma taxa de administração razoavelmente baixa (abaixo de 1,5% ao ano) tem seu valor.

Fundo de Renda Fixa: Este é um tipo de fundo dentro do que é classificado como Fundo de Renda Fixa. Este tipo de fundo investe em títulos pré-fixados (no Tesouro Direto também conhecidas como LTNs), logo ele realmente tem um componente forte de renda fixa, pois as taxas dos títulos que ele “comprou” no passado são fixas.

Isto quer dizer que este tipo de fundo se beneficia quando as taxas dos títulos que ele comprou no passado caem e sai prejudicado quando estas taxas sobem.

No momento em que escrevo este texto (Novembro de 2016), gestores que compraram bastante títulos deste tipo no passado recente, têm uma oportunidade fantástica de gerar retornos, pois a tendência atual é de QUEDA nas taxas, graças à expectativa de QUEDA da Selic.

Isto é assunto para um próximo texto, mas por favor guardem esta informação: este é o fundo de renda fixa mais arriscado dentre os três tipos! E por ele ser o mais arriscado, também significa que pode trazer mais retorno ou, por outro lado um retorno absolutamente ridículo.

Por causa deste risco embutido, não é um bom veículo para guardar seu dinheiro que deve estar reservado para emergências. Ou se preferir de outra forma, não é um fundo indicado para o CURTO PRAZO.

Fundo de Inflação: Este tipo de fundo investe em títulos que têm seu rendimento atrelado tanto à taxa de juros quanto à inflação (no Tesouro Direto também conhecidos como NTN-Bs). É um tipo excelente de fundo, pois ele garante um retorno recorrente acima da inflação.

Por quê? Porque ele tem uma parte que te protege da inflação e uma parte que te paga juros, logo ele tem um rendimento real, ou seja acima da inflação.

Mas, por ele ter uma parte de seu rendimento associado a taxa de juros (CDI), ele também não é um bom veículo para guardar seu dinheiro que deve estar reservado para emergências. Ou, se preferir, também não é um fundo indicado para CURTO PRAZO.

Um abraço e até a próxima.